D.Pedro II, O Magnânimo.

Ficheiro:Pedro Américo - D. Pedro II na abertura da Assembléia Geral.jpg
Cerimônia de abertura anual da Assembléia Constituinte.
 "A Fala do Trono" - Pedro Américo 1872


 Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga, conhecido como D.Pedro II, ou melhor, O Magnânimo  assim como era muitas vezes chamado, foi o ultimo Imperador  do Brasil e um dos homens mais celebres e importantes para nossa pátria. Nascido no paço de São Cristóvão no Rio de Janeiro no dia 2 de dezembro de 1825, sua vida foi marcada por perdas, poder, inteligência e simplicidade, combinação essa que faz dele um digníssimo Imperador.
  Quando o jovem príncipe ainda tinha 5 anos de idade tornou se imperador (de jure) pois seu Pai o então Imperador D.Pedro I abdicara do trono para tomar a frente da Revolução Liberal do Porto, e desde então o jovem Pedro teve uma vida muito regrada e direcionada aos estudos para se tornar um Imperador, com a rígida observação dos seus Regentes. Sua mãe a Arquiduquesa da Áustria, Imperatriz do Brasil Dona Leopoldina morreu um ano após seu nascimento, no parto de um menino nascido morto, o jovem Pedro não tinha lembranças de sua mãe e as lembranças que tivera do seu pai foram perdidas com o tempo e o que restou foi que ouvia sobre sua mãe e a forte imagem de seu pai como seu imperador.
  Pedro II tomou posse do trono de fato muito cedo,  com então 14 anos aconteceu o Golpe da Maioridade, uma revolução de caráter liberal para por fim a regência, além disso a ascensão do monarca ao poder cessariam todas as revolução separatistas que ocorrera no Brasil de meados do século XIX e promoveria estabilidade política, econômica e social. E foi exatamente isso que aconteceu, em 58 anos de reinado “nunca antes na história desse país” (e nunca depois também) houve tanta prosperidade e crescimento econômico e social como no período do Segundo Reinado.
  A tranquilidade e a veracidade do seu poder levaram o Brasil a posição de uma das nações mais importantes do século XIX, o próprio Imperador arbitrava em conflitos internacionais e tinha grande respeito e admiração pelos chefes de estado ao redor do mundo, sua figura no Brasil era de um Pai da pátria que acolhia a todos e assegurava liberdade de expressão e paz. Também herdou o pulso firme do seu pai, nos episódios da Guerra do Paraguai e do conflito com a Inglaterra, o imperador manteve se firme e defendeu sua pátria (até ameaçava o Senado dizendo que entraria nas guerras na linha de batalha), posições como essas não se veem todos os dias, nos dias de hoje menos ainda.
 E assim foi até sua morte, exilado na França, o imperador sofria de depressão, com a perda da Imperatriz e com a distância que manteve de seu país, e mesmo exilado, no momento de sua morte num modesto hotel do subúrbio parisiense o Imperador teve honras de Chefe de estado (mesmo contra as vontades do presidente do Brasil, Marechal Floriano Peixoto) foi o segundo maior cortejo fúnebre de toda a França, com a presença de reis e rainhas de toda a Europa, além de presidentes do continente Americano e de países como Pérsia, China, Turquia e Japão. E segue o cortejo por toda a Espanha até chegar em Portugal, onde inicialmente foi enterrado na Igreja de São Vicente de Fora, arredores de Lisboa no Panteão dos Bragança. O governo do Brasil na época tentou abafar a notícia da morte do Imperador ao máximo, e mesmo sem a autorização do governo foi declarado luto por todo o Brasil com missas de sétimo dia e bandeiras a meio mastro. Acredito que essa tentaria desesperada de sufocar a notícia, seria medo da parte do governo por mais revoltas do povo que ficara órfão do digníssimo chefe de estado que foi D.Pedro II, homem simples e honesto, amante de seu país, teve como ultimo suspiro as palavras que eu faço encerrar essa postagem:

"Deus que me conceda esses últimos desejos—paz e prosperidade para o Brasil." –
S.A.I.R Dom Pedro II do Brasil.



.:Yuri Marques

6 comentários:

  1. Tenho profunda admiração por vossa majestade imperial Pedro II, com certeza o maior estadista que este país já teve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O maior e o ultimo estadista do Brasil.

      Excluir
  2. este Imperador é dino de ser o maior chefe de estado do Brasil e do mundo

    ResponderExcluir
  3. Sem dúvidas o melhor brasileiro de todos os tempos!

    ResponderExcluir
  4. Temos que informar todos os brasileiros possíveis sobre esta parte de nossa história, que poucos conhecem, mesmo que sejamos considerados loucos, temos este dever.Monarquia Já!

    ResponderExcluir
  5. Pedro II foi o governante! Simples assim.

    ResponderExcluir

V.P

V.P
Junte se a nós!

J.M

J.M
Junte se a nós!

C.M.B

C.M.B
Junte se a nós!